Censura + Radioatividade + Choque de Realidade = Uranium Film Festival 2013 aplaudido de pé!

O resultado do festival de cinema “Urânio em MoviEmento” de 2013 foi um turbilhão de emoções  e debates levantados pelos filmes, pelo público questionador, pelas entrevistas e pelo fechamento incrível, com lágrimas, samba e caipirinha na noite da premiação. Surpreendentemente o ´Oscar Amarelo` por longa metragem de ficção, foi para uma comédia romântica “Atomic Ivan”, primeiro filme do famoso diretor de ópera russo Vasiliy Barkhatov e a primeira vez que as agências nucleares russas abriram suas portas à sétima arte.

Os primeiros estavam em alta e o diretor de “Alta Voltagem” levou o Oscar Amarelo pelo melhor curta metragem documentário. Pradeep Indulkar foi um engenheiro indiano que trabalhou durante 12 anos para o programa nuclear da Índia, se aventurou na direção de seu primeiro filme levantando uma grande polêmica relativa a primeira usina nuclear da Índia. Em entrevista coletiva após a première, o questionei a respeito da receptividade do tema em seu país de origem.

high-power-01_387_290_90

– Censura – 

O filme não foi exibido e provavelmente não será. Deixou claro na entrevista que a usina funciona perfeitamente e que isso não impediu em nada os transtornos quanto à saúde e economia dos que vivem nas proximidades. Uma vila inteira foi desalojada e o governo, mesmo dando mil garantias, não as cumpriu.  Pradeep apresentou ao público o pescador, um dos personagens do documentário, queria mostrar ao mundo que pessoas honestas e simples estavam sofrendo consequências terríveis para que uma maioria vivesse esbanjando eletricidade em suas casas. Quem paga o mais alto preço pela energia são estes rostos injustiçados, doentes, famintos e desconhecidos.

Outro filme que também sofreu uma forma de censura foi o nacional, “Caetité, sofrimento cinzento” de Laura Pires. Na sexta-feira, dia 24 de maio às 15 horas, estávamos contando com a première, ao invés disso, a diretora avisou aos presentes que o filme não poderia ser exibido por questões legais. Evidente que além de pedirmos uma palhinha sobre o filme perguntamos o que havia acontecido. Tudo indica que a principal fonte, um funcionário da empresa de mineração de urânio, está sendo ameaçada, perseguida e processada por conta das declarações reveladoras feitas para o documentário. Mais uma vez “nossa amiga” – Censura – visitou o festival.

1-caetite-poster_205_290_90

Por essas e inúmeras outras esse festival mereceu ser aplaudido de pé. Muitos grupos de estudantes lotaram as sessões e tiveram seu primeiro contato com a realidade radioativa, próxima e perigosa do planeta onde vivem. À exceção do curta “Lixo Nuclear” que definitivamente não deveria ter uma censura de 10 anos mostrando cenas de sexo e nudez para o público de jovens adolescentes, entusiasmadíssimos, aplaudindo por outras razões, a – Censura – só serviu para atiçar a curiosidade daqueles que lutam pela liberdade de expressão e torcem para que esse material seja amplamente divulgado.

Portanto, DIVULGUEM!

 

Os seis premiados:

  • Categoria Longametragem Ficção:
    A comédia romântica ‘Atomic Ivan’. Rússia, 2012, 91 min, Direção Vasily Barkhatov, Produção Executiva, Viktoria Gromik, Telesto Film.
  • Categoria Curtametragem Ficção:
    A comédia ‘Curiosity Kills’ (A Curiosidade Mata). Estônia, 2012, 14 min, Direção Sander Maran.
  • Categoria Longametragem Documentário:
    ‘Nuclear Savage: The Islands of Secret Project 4.1’ (Selvagem Nuclear: As ilhas do Projeto Secreto 4.1). EUA, 2012, 87 min, Direção Jonas Adam Horowitz.
  • Categoria Curtametragem Documentário:
    ‘High Power’ (Alta Voltagem). Índia, 2013, 27 min, Direção Pradeep Indulkar.
  • Categoria Filme de Animação:
    ‘Abita’. Alemanha, 2012, 4 min, Direção Shoko Hara & Paul Brenner.
  • Categoria Estudantil:
    ‘No to Nuclear Jordan’ (Jordânia sem Nuclear). Jordânia, 2012, 7 min, Direção Solenne Tadros.

Além do Oscar Amarelo, o festival também conferiu menções honrosas: ‘Polvere di Guerra. Uranio a Beirut’ (Guerra em Pó. Urânio em Bierute), Itália, 2007, Direção Flaviano Masella, Angelo Saso e Maurizio Torrealta.
‘Children of Uranium’ (Crianças do Urânio), Romênia, 2009, 64 min, Direção Adina Popescu. ‘Friedlich in die Katastrophe’ (Silenciosamente para o Desastre), Alemanha, 2012, 120 min, Direção Marcin El.
‘Nuclear Waste’ (Lixo Nuclear), Ucrânia, 2012, 25 min, Direção Myroslav Slaboshpytskiy. ‘Unter Kontrolle’ (Sob Controle), Alemanha, 2011, 98 min, Direção Volker Sattel.
‘Der Bauch von Tokio’ (Estômago de Tóquio), Alemanha, 2013, 70 min, Direção Reinhild Dettmer-Finke.
‘Hibakusha’, EUA, 2012, 54 min, Direção Steve Nguyen & Choz Belen. ‘Hiroshima Nagaski Download’, México/Japão, 2010, 73 min, Direção Shinpei Takeda.
‘Last Flower’ (A Última Flor), Irã, 2013, 6 min, Direção Sima Baghery.
“Cesium Iblodet” (Tem Césio no Meu Sangue), Brasil/Suécia, 2009, 70 min, Direção Lars Westman.

 

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s